Empreendedorismo

3 erros que fazem uma aceleradora não investir em sua startup

Autor: Cesar Vargas   |   05 de Dezembro/2016


Existem alguns fatores cruciais que aceleradores avaliam ao decidirem por investir na sua startup. Saiba quais são alguns dos erros que empreendedores costumam cometer e procure evitá-los ao falar com alguma aceleradora:

 

Erro 1 – Equipe Inadequada ou Ineficiente

 

Apontado pelas aceleradoras como o principal fator para que não fosse realizado um investimento em uma startup, uma equipe inadequada ou ineficiente é o elemento mais forte ao determinar se uma startup irá ou não receber investimentos e aceleração.

 

Muitas vezes uma equipe inadequada para o projeto significa que os objetivos não serão atingidos, enquanto outras vezes isso significa que os gestores e empreendedores responsáveis pela startup não tem preparo ou conhecimento para suas funções, o que pode afastar os investimentos.

Erro 2 – Demanda ineficaz ou inexistente

Outra questão apontada pelas aceleradoras como motivo para não investirem em startups é perceberem que não existe demanda para o produto ou serviço ou que ela é ineficaz, ou seja, que não terá os resultados esperados pelo empreendedor ou não vale o investimento.

 

Esse erro decorre, muitas vezes, da falta de estudo prévio do mercado ou também do posicionamento errado do projeto dentro do mercado, sendo interessante que o empreendedor avalie essas questões e considere uma recusa de aceleração como oportunidade para repensar seu projeto e crescer.

 

Erro 3 – Falta de inovação da startup

 

Esse é um dos problemas mais comuns a serem apontados pelas aceleradoras, sendo também um dos mais críticos na questão da recusa de aceleração de uma startup. A falta de inovação é uma questão de grande peso na escolha de uma aceleradora em investir ou não em uma startup, já que empreendimentos sem inovação não atraem interesse e não são rentáveis.

 

Além de trazer inovação, é fundamental que sua startup saiba transformar a ideia em um projeto estruturado e de resultados, ou seja, que ela ofereça soluções, serviços ou produtos que realmente tenham utilidade, usabilidade e inovação, visando se diferenciar do mercado e de seus concorrentes.