A Internet das Coisas e a sua influência na indústria

A Internet das Coisas e a sua influência na indústria

Hoje em dia os consumidores vivem em um mundo conectado e as empresas têm se juntado a eles neste mundo para serem mais competitivas. Uma tecnologia que tem causado grande impacto em vários ramos da indústria é a IoT, também chamada de Internet das Coisas.
Embora a realidade virtual e a inteligência artificial possam fornecer conhecimento e perspectiva aprofundados, suas tecnologias não estão totalmente “ligadas ao mundo real”.
A conectividade da IoT, em contrapartida, permite que os clientes aprimorem as suas experiências em tempo real, tornando-a a maneira mais direta para as empresas melhorarem a experiência do cliente.
O impacto da IoT em empresas de varejo é significativo, portanto, o desafio dessas organizações é entender e equilibrar o custo de implementação e o poder de disrupção. Prateleiras e carrinhos inteligentes são ótimos, mas muitas vezes os preços elevados impedem o progresso.
Se uma inovação custa muito para ser implementada, o aumento do custo compensará as melhorias que a empresa fez na experiência do cliente. Ainda assim, as pessoas nunca deixarão de fazer compras ou procurar as formas mais convenientes de atender às suas necessidades cotidianas, o que faz com que os varejistas tenham que arcar com a sua nova tecnologia para não sair perdendo para a concorrência.
As lojas da Amazon Go são limitadas em número neste momento, mas o seu conceito é o “garoto-propaganda” para as compras feitas pela IoT. Quando os membros da Amazon entram em uma dessas lojas, é feita uma varredura dos seus telefones para efetuar o login. Então, câmeras e sensores rastreiam suas compras e, quando os clientes saem, o sistema cobra o valor total – sem necessidade de caixa.
Outros grandes varejistas já estão de olho nessa novidade: alguns já estão optando por melhorias incrementais na experiência do cliente usando a IoT. A Target, por exemplo, está começando a usar luzes com sensor de cliente, juntamente com um aplicativo para dispositivos móveis, para orientar os usuários de aplicativos em toda a loja e ajudá-los a encontrar produtos específicos que estejam procurando, como se fosse um mini GPS.
Os varejistas que implantam soluções de IoT têm uma vantagem competitiva imediata, mas o varejo é apenas um dos ramos onde essa tecnologia está sendo aplicada.
A maioria das empresas aprecia o poder da tecnologia IoT, mas poucas entendem as oportunidades que ela representa no momento. Veja algumas formas que a IoT pode trazer melhorias para três grandes indústrias.

Finanças

A MuleSoft informa que 53% dos clientes bancários entrevistados chamaram sua experiência de consumidor de desconectada. Mas a tecnologia IoT pode mudar isso.
Embora as finanças tenham dado alguns passos importantes para abraçar a IoT na experiência do cliente, a indústria ainda tem grandes lacunas em segurança e privacidade. Como diz um white paper da InfoSys sobre o assunto: “Como parte da IoT, todos os dados de transação, incluindo as informações enviadas por meio de dispositivos inteligentes e smartwatches, estarão disponíveis para bancos e instituições financeiras. Juntamente com os dados, os bancos também têm acesso à localização do cliente, o que pode levar a uma quebra de privacidade “.
Ainda assim, se os bancos puderem proteger a privacidade do consumidor, os benefícios potenciais são enormes. Os caixas eletrônicos, por exemplo, apresentam uma oportunidade fácil de melhoria. Um simples gatilho de IoT em um dispositivo inteligente poderia dizer a um caixa eletrônico para distribuir dinheiro sem obrigar o cliente a passar pelo complicado processo de retirada. Isso faria uso da tecnologia existente enquanto eleva a experiência do cliente.
Uma mudança como essa pode parecer pequena, mas pode ter um grande impacto . Uma pesquisa da Business Insider Intelligence descobriu que 40% dos millennials entrevistados deixariam de usar o dinheiro integralmente se os seus cartões bancários pudessem substituir completamente. Os empreendedores do ramo de finanças devem, portanto, olhar para o que é necessário trabalhar e fazer melhorias incrementais na IoT para fornecer o próximo nível de serviços que os clientes esperam e irão adotar.

Assistência Médica

Com tantos pontos de contato com o cliente, a assistência médica está pronta para a disrupção trazida pela IoT. Infelizmente, a complexidade dos relacionamentos entre parceiros nos serviços de saúde – fornecedores de equipamentos, companhias de seguros, etc. – muitas vezes atrapalha o progresso da inovação. Mas mesmo que esse status quo seja difícil de mudar, isso não significa que a disrupção é impossível.
Primeiro é preciso levar em consideração a segurança dos dados. Qualquer inovação na saúde terá que estar dentro dos limites das regulamentações que protegem a privacidade do paciente. Para progredir, os parceiros digitais devem trabalhar com organizações como a Fortified Health Security para levar suas soluções de ideia à realidade. Se os novos produtos se mantiverem dentro das diretrizes de privacidade, os pacientes e as empresas médicas poderão obter um progresso rápido na tecnologia IoT.

Setor automotivo

Agora mesmo, a maioria dos fabricantes de equipamentos originais está perdendo oportunidades. O antigo modelo da indústria automobilística cria veículos com inovações focadas ​​nas ações dos motoristas e pouco desse foco vai para a melhoria da experiência.
Por exemplo, os veículos poderiam ser capazes de reconhecer quais componentes estão sob estresse e notificar seus motoristas para agendar a manutenção. As empresas automotivas devem olhar além da conectividade enigmática para criar carros realmente conectados. Estes podem ser projetos lucrativos para empreendedores.
A base para tornar a condução mais inteligente já está lá. Até 2020, prevê a Gartner, haverá 250 milhões de veículos conectados na estrada. O Android Auto já está trabalhando com a Tesla e a Volvo para produzir veículos mais inteligentes, e a Mojio está trabalhando para melhorar a detecção proativa de problemas com veículos.
Em breve, a conectividade IoT se tornará o padrão em quase todos os setores. Os consumidores esperam que os dispositivos se comuniquem entre si e criem experiências intuitivas, úteis e estimulantes. Cabe aos inovadores e disruptores desenvolver essa tecnologia e colocá-la no mercado o mais rápido possível para trazer benefícios não só para os clientes, mas também para as próprias empresas.

Lucas Lima